terça-feira, 18 de junho de 2013

O Famoso Tijolo Solo-cimento / Ecológico

Eis o motivo pelo qual minha obra mereceu um blog!


Não, tijolo não é tudo igual! Com o crescimento da construção civil e populacional, a necessidade de moradia fez com que vários métodos construtivos fossem desenvolvidos e uma variedade grande de materiais surgiu para proporcionar isso.

Desde as casas de taipa, o barro se mostrou uma boa opção devido a facilidade de obtenção e capacidade de sustentação e proteção dos ambientes internos de uma casa. Mas se considerarmos o tijolo solo-cimento, há uma importância maior sobre o solo a se utilizar na mistura que irá compor o tijolo. Isso porque há várias características que se desejam atingir com a mistura de cimento e solo, para ter um tijolo de qualidade.

Além de aspectos básicos como granularidade, coloração, há também importantes normas técnicas a se atingir quando se fabricado um tijolo solo-cimento (ecológico) para emprego em alvenaria estrutural. Tudo isso é regulamentado pela ABNT no Brasil, através de normas como ABNT NBR 8492:2012 (Tijolo de solo-cimento — Análise dimensional, determinação da resistência à compressão e da absorção de água — Método de ensaio) e ABNT NBR 10833:2012 Errata 1:2013 (Fabricação de tijolo e bloco de solo-cimento com utilização de prensa manual ou hidráulica - Procedimento) - vide site http://www.abntcatalogo.com.br/. Não vou entrar no detalhamento dessas normas, mas é importante saber que não é qualquer solo que vai apresentar a resistência necessária e o ideal é que se encontre o solo adequado e produza toda a carga necessária de tijolos usando a mesma terra, para ter uniformidade de características desde as secundárias como coloração dos tijolos, até pontos cruciais como os de resistência à compressão e absorção de água. Dependendo da qualidade do solo utilizado, a mistura vai requerer mais ou menos cimento para chegar nos patamares exigidos por norma e é aí que há o equilíbrio do custo do tijolo. E não sendo um tijolo cozido (por isso o termo ecológico), para ser resistente ao tempo, não esfarelar, não rachar com facilidade e atender as necessidades estruturais, até chegar na mistura ideal o fabricante precisará de muitos testes e tentativas.

Há uma infinidade de máquinas e modos de se moldar os tijolos solo-cimento. Prensas manuais, semi automáticas, automáticas, enfim, não é meu foco detalhar a fabricação do tijolo (um bom lugar para se ter mais informações sobre isso é http://www.ecomaquinas.com.br e http://www.alroma.com.br/), mas como comprador você precisa se atentar a esses detalhes para ter seu tijolo dentro do esperado. Pontos importantes a se observar:
  1. O tijolo precisa obedecer a dimensões exatas, não pode existir grandes variações de um tijolo para outro, de uma carga para outra, pois senão o resultado final da alvenaria ficará desastroso (exemplo abaixo). Há uma tolerância prevista em norma, acredito que seja 3 mm e há máquinas suficientemente boas para proporcionar isso;
  2. Escolha das medidas e tipo do tijolo: um dos grandes defeitos do mercado do tijolo solo-cimento é a não padronização das dimensões, ou seja, existem tijolos dos mais variados tipos e medidas. Isso é um empecilho se você considerar que pode vir a precisar fazer alguma ampliação ou reforma e também um ponto imprescindível de se considerar antes de definir o projeto: a modulação das paredes depende fortemente disso;
  3. Fornecedor: merece um capítulo a parte, mas por hora, é como adquirir um produto caro, deve-se ter muito critério para escolha do mesmo, pois em muitos casos você vai ter acreditar que o tijolo está na norma, dentro das dimensões desejadas e seria muito bom que esse fornecedor permanecesse bastante tempo no mercado para que você possa ter mais tijolos iguais aos seus numa eventual ampliação (aqui vale a dica de descobrir que máquina o fornecedor usa, pois muitos usam o mesmo fabricante, compartilhando a mesma fôrma). O ideal seria um fornecedor idôneo, com empresa aberta, laudos de ensaios de resistência atualizados e passíveis de serem relacionados em um eventual contrato;
  4. Preço, prazo e entrega: aquela regra geral da aquisição de produtos, o acordado precisa estar no papel. Nada de boca, jamais pagamento total adiantado e garanta que o fornecedor se encarregue do transporte e entrega na sua obra, pois se houverem quebras, ele é o responsável. Se o tijolo puder vir paletizado, ótimo. Colocando tudo em um contrato de compra, terá uma compra mais segura;
  5. Pesquise, pesquise, pesquise! Opções existem várias, dependendo da região existem mais de 10 fornecedores diferentes que têm condições de entregar na sua obra. Visite obras com esse mesmo tijolo, se possível. Vá até a fábrica, veja as condições de armazenagem, confira a linha de produção, questione sobre como é feita a cura (lembre-se, a cura do cimento exige água, muita água, quanto mais úmido ficar durante a cura, melhor será a resistência) se inteire do processo, isso também garantirá uma compra mais consciente.
Eu fiz uma pesquisa grande, visitei diversas obras, conversei com todo tipo de envolvido nelas - de arquiteto a servente, a fim de se descobrir dificuldades no trabalho com os tijolos. Isso me fez encontrar a melhor solução para minha obra e veja: isso aconteceu semanas antes de contratar a MO, pois tinha visto várias opções e estava quase entrando numa fria: a empresa pela qual tinha decidido faliu depois de entregar diversas cargas imprestáveis e dar o calote em vários clientes!

Exemplos reais do que se deve evitar:

Note que existem vários tijolos quebrados e não há uniformidade de dimensões, chanfro, etc.

Triste...

Aqui jaz um fabricante. E não fará falta...


Alguns dos diferentes tipos de tijolos existentes no mercado:

Da dir. para esq.: Tijolos Gareta (Renato, Salto/SP) de 30 cm que foi utilizado na casa que já existia, outro de 30 cm de fabricante desconhecido (deixei cair e quebrou) e o tijolo de 25 cm do Edilson da Tijokez  (Sumaré/SP). Os pallets com a carga são os de 25 cm da Tijokez.

Os tipos de um mesmo tijolo, necessários na obra: tijolo inteiro, meio-tijolo (na Tijokez esse é prensado na fôrma de meio-tijolo e não cortado a partir de um inteiro) e o canaleta.

Partindo do pressuposto que você vai comprar um item do qual depende totalmente a aparência e segurança da sua obra, observando os pontos acima, você gastará um bom tempo até encontrar a solução ideal para seu projeto, suas condições e necessidades. Esse é o passo prévio, por mais que você leve mais algum tempo até iniciar a obra, vale a pena ter segurança na decisão da escolha do tijolo para minimizar os problemas depois, no decorrer da obra.


* A obra representada acima não é minha e não está sendo exposta.
** A empresa revelada nos tijolos deixou de existir deixando vários clientes na mão, portanto não merece ser preservada.


21 comentários:

  1. Nossa, então a ekobuild com seu marketing pesado fazia um tijolo desse nível? Triste. Fabricar esses tijolos não é pra qualquer empresa. A qual comprei os tijolos parou de vender, acho que por falta de pessoas para a fabricação, mas ainda continua revendendo as máquinas.
    Agora uma leitora assidua do blog Wagner.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só! Até aí eles tinham renome?! Nossa, isso só reforça minha indignação por ver tanto potencial jogado fora. Eu conheci o tijolo ecológico mais a fundo por intermédio deles. Eles faziam algo bem legal como um Workshop para qualquer interessado, reunia desde clientes até profissionais da construção, explicavam o método construtivo e tal.
      A qualidade no tijolo nessa época era bem boa, eu mesmo vi lá na obra. Aí, por algum motivo relacionado a má administração, foram decaindo. Esses tijolos aí que tirei foto, quebraram no transporte, foram descartados na obra quando chegaram lá.
      O Felipe, dono da Ekobuild era um cara esclarecido, inteligente e que demonstrava ter conhecimento. Não sei que tipo de problema teve, mas acabou com o trabalho que ele deve ter penado para desenvolver, jogou fora um nome, se sujou no mercado, deixou clientes na mão e sumiu.
      E pensar que eu quase caí na deles...

      Aline, a casa é sua. Você é responsável por eu ter começado tudo isso!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Não não, estamos terminando a laje essa semana. Acredito que ainda vá mais 2 meses até a cobertura/telhado e depois começa o sofrimento com o acabamento ($).
      Os últimos posts mostram a obra nos dias de hoje, dá uma olhada lá.

      Excluir
  3. Wagner, qual foi o seu fornecedor de tijolos ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos, obtive tudo que precisei do Edilson da Tijokez, veja o banner abaixo ou na página de fornecedores o contato dele (http://www.tijokez.com/).

      Qualquer dúvida, é só falar. Agradeço a visita.

      Excluir
    2. montei um sobrado en Hortolndia Sp c/ tijolos do Sr zunta Tijokez !! tijolo perfeito!!!!!!!!!

      Excluir
  4. Eu fiz uma visia tecnica na tijokez, me surpreendi com a qualidade do tijolo, perfeito , sao profissionais trabalhando com total dedicaçao e amor pelo trabalho,. parabens!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valmira, boa tarde. O Edilson é daquelas pessoas batalhadoras que são dignas dos maiores méritos. Tenho admiração por ele e pela esposa que embarcaram nesse ideal e estão conseguindo obter os frutos do trabalho bem feito, como você disse, feito com dedicação e engajamento. Não ganho nada fazendo "propaganda" para ninguém e nem faria isso por dinheiro, só digo da Tijokez por conta dos resultados que vi na prática e por realmente acreditar na qualidade do trabalho deles. Obrigado pelo relato.

      Excluir
  5. estou pensando em comprar uma maquina e eu mesmo produzir meus tijolos, tenho disposição e um pouco de conhecimento alem de muita curiosidade, alguem fabricou os proprios tijolos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, acho válido sim, porém há alguns complicantes: qualidade do solo, qualidade da prensa e tamanho da sua produção. Da qualidade do solo dependerá a quantidade de cimento que você precisará usar, para o tijolo atingir a resistência necessária. E veja, isso é muito importante, pois um tijolo fora de norma pode causar problemas de segurança na obra e claro, risco a vida. Além disso, o custo do tijolo - pensando na situação de comércio - depende justamente da quantidade do cimento adicionado. O solo precisa ser uniforme, pois senão a medida que for extraindo, as características do tijolo vão mudar.

      Da prensa depende muito as medidas do tijolo e a facilidade do processo.

      Vai depender muito do seu escopo, da jazida de terra (geralmente usasse saibro) e da sua dedicação no processo, inclusive levando o tijolo para testes se quiser ter total segurança.

      Não é algo que domino, mas acho interessante.

      Boa sorte!

      Excluir
  6. Olá, Wagner, apreciei o conteúdo de seu blog, consistente, completo e crítico, parabéns. Gostaria de indicações suas de empresas sérias que se comprometam com a qualidade do produto e do serviço prestado. Quem você indica? Alguma empresa no sul de Minas Gerais? Grata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gabriela, obrigado pela visita, espero que tenha proveito.

      Eu não saberia indicar ninguém na sua região, desconheço. É realmente a maior batalha do tijolo, encontrar quem confiar!

      Desculpa por não poder ajudar. Obrigado.

      Excluir
  7. Wagner, boa noite!
    Primeiramente quero parabenizar pelo blog, muito bom mesmo. Segundo, queria saber se ainda está postando nele, sou fabricante de tijolo Solo-cimento na cidade de mogi guaçu-SP, minha empresa se chama TerraMédia Tijolos solo-cimento, vi que muitas pessoas lhe perguntam sobre fabricantes, teria como você trocar algumas informações conosco? segue abaixo meu contato

    Luís Fernando Vanzela
    19 99396-0581 - tim e whatsapp
    19 99988-8429 - vivo

    visite nossa pagina no facebook
    https://www.facebook.com/TERRA-M%C3%89DIA-Tijolo-Solo-Cimento-1731820897100886/?ref=aymt_homepage_panel


    desde já agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiz, bom dia.

      Obrigado, agradeço a visita e espero poder contribuir para o paradigma e também para os envolvidos com o método.

      Não conhecia sua empresa, gostaria de lhe fazer uma visita, conhecer seu produto, medidas, acho que será de grande valia mesmo eu tendo construído a casa já. Eu não tenho feito posts novos pois a obra está parada na fase do acabamento, mas em breve devo ter mais conteúdo. E quem sabe uma nova obra?! rs

      Entro em contato, abraço.

      Excluir
  8. Amigo, no final, qual empresa você optou?

    ResponderExcluir
  9. Wagner, percebi que os comentários não aparecem mais para mim. Poderia me passar seu e-mail para conversarmos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá José, parece que estava com problema mesmo. Veja se resolveu. Meu email é solocimentocps@gmail.com. Abraço.

      Excluir
  10. Boa noite Wagner....Tenho pesquisado sobre o tijolo ecologico, e realmente, o melhor que encontrei foi o tijolokez do Edilsom... Gostaria que voce me indicasse os pedreiros que construiram pra vc....minha obra será em Paulinia.
    Como ja disse, o tijolo já está escolhido o do Edilson.. falta fazer uns dois ou tres orçamentos com pedreiros e não construtoras....agradeço e fico no aguardo ... um abraço..Att Francisco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Francisco, chegou a pedir indicação para o Edilson? Pois o pedreiro que trabalhou para mim se aposentou e eu também fiquei sem opção.

      Excluir