quinta-feira, 4 de julho de 2013

Erros

Eles acontecem...


Não adianta só se preparar psicologicamente, é preciso aprender a lidar com os erros que acontecem na obra. Uma porque você precisa tomar decisões rápidas e até mais, aprender a identificá-los com a mesma rapidez da evolução da alvenaria. Detectar isso e tomar a ação o quanto antes minimiza os impactos e pode fazer a diferença entre ser possível corrigir ou não. Outra porque é necessário entender as implicações do erro para direcionar os esforços para solucionar.

É uma tarefa ingrata pois geralmente não se tem conhecimento suficiente para identificar, quiçá entender o que aquilo significa. Por isso é muito importante pesquisar sobre, questionar e insistir com quem entende do assunto para atingir algum nível de conhecimento que permita ao menos avaliar a qualidade do que está sendo feito. E sendo a segurança de uma obra algo que quase nunca está na superfície externa, somente a boa aparência não garante bons resultados.

Minha recomendação é sempre contrapor as explicações que lhes são dadas entre os diferentes envolvidos da obra. Engenheiro tem uma visão das coisas, pedreiro quase sempre outra. O empreiteiro, quando presente no processo, pode ser o meio termo. Cruze todas as informações que são dadas, colha alguma sugestão aqui e valide com a outra ponta do processo, quase sempre aparecem soluções boas ou caminhos a se evitar dessas discussões. Outra situação importante é identificar junto ao pedreiro o que ele está sentindo mais dificuldade de executar, os pontos de preocupação que ele manifesta. São essas atividades as mais críticas e onde podem aparecer os problemas.

Se preciso, compre suas próprias ferramentas. Isso aliás tem se mostrado imprescindível quando numa obra modular. Trena, nível de bolha, esquadro, prumo e linha de pedreiro são ferramentas extremamente baratas e valem a pena se ter durante a obra para que você faça suas próprias checagens. Caso contrário, não tenha receio de pedir para o pedreiro te mostrar com base no que ele está certificando a qualidade do que vem sendo construído.

Eu confesso que comecei a ficar safo em pegar problemas de nivelamento e prumo só de olhar. Basicamente me alinhava com a parede olhando de alguma distância ou abaixava para poder acompanhar as fiadas. A partir de cantos, antes de vãos livres, ao longo de paredes mais compridas, é fácil detectar alguma anomalia mais grave e aí, as ferramentas que citei acima servem para tirar a prova final.


Exemplo do nível começando a sair
Usando a linha de pedreiro para conferir o alinhamento. Boa especialmente para vãos livres, portas, passagens onde pode existir o desencontro das duas paredes de cada lado
Alinhe-se com a parede e siga-a com os olhos


Mesmo com uma equipe zelosa e cuidadosa com o trabalho, erros acontecem. Eu estou acompanhando a obra quase que diariamente e mesmo assim coisas como as abaixo aconteceram, forçando retrabalho, perda de tempo ou material mesmo que mínima.


A parede do quarto é perpendicular a da sala. Deveria ser grampeada e não transpassar a parede, para que não fique essa fenda fugindo a montagem correta dos tijolos. Precisou ser desfeito e encostado apenas, sem transpassar
Problema de modulação. Nem foi culpa do pedreiro ou do engenheiro, mas o encontro dos tijolos novos de 25 cm com os de 30 cm, junto com uma planta não exata da casa "antiga", gerou esse problema. Veja que se chegasse a altura em que as fiadas passassem por cima da porta, não daria modulação, os tijolos não encaixariam, nem usando meio-tijolo. Foi desfeito, vamos ter que cortar 3 cm do tijolo novo no encontro com a parede da casa "antiga"
Como disse no post Hidráulica e Elétrica, foi necessário quebrar a primeira fiada pois "esqueceram" de assentar já passando a hidráulica pelo chão
Aqui a parede do banheiro, grampeada na parede externa da casa, ficou afastada da mesma. Isso é ruim pois, por mais que o rejunte tampe o buraco, ele rachará com o tempo e pode começar a passar umidade do banheiro pelo vão, além de acumular insetos 
Pedi para que passassem a distribuir a diferença entre o encontro dos tijolos anteriores
O mal de se fazer a coisa sem pensar. Se 1,10m era a altura da caixinha e da percinta, porque não subir a caixinha então para o próximo tijolo? Não vai aparecer, mas não é legal ter uma barra de ferro próxima aos contatos elétricos de um espelho de luz
Tijolos assentados fora do nível, dando a impressão que a parede está inclinada. Estava no prumo, mas não poderia ficar assim. Pedi para desmontarem e fazer de novo


Todos esses problemas até então foram contornados ou não tiveram grandes impactos/perdas. Para minha sorte, não notei nenhum problema realmente estrutural como montagem errada de grouts. Isso é muito importante observar e garantir que o pedreiro tenha conhecimento e experiência para não errar. O restante, é preciso exercitar a paciência e ter calma para resolver. 

Entrar em conflito não é uma boa ideia, deixar algo ficar errado pode ser ruim pois é a sua casa, seu sonho, você não vai querer nada "meia-boca". Então converse, esteja sempre presente para detectar isso rapidamente, exercendo seu direito de cliente e contratante, tendo em vista que não estão lhe fazendo nenhum favor. Pelo contrário, pagamos e pagamos caro para que tudo isso seja feito da melhor forma possível.








Ei! Já viu os marcadores de temas na lateral direita do Blog? Com eles você filtra os posts pelos seus temas! Um dos marcadores é o Alvenaria, confira: http://www.tijolosolocimento.com.br/search/label/Alvenaria




4 comentários:

  1. Nesse não encontro dos tijolos o rejunte irá rachar mesmo e vai acumular insetos sim. Será que se você fizer um fechamento com argamassa, com muito cuidado e delicadeza para não manchar as paredes e depois rejuntar por cima.. pode ser uma idéia, pois racha com o tempo e foco de aranhas para fazer ninho.
    O pessoal teria que ter subido a caixinha da eletrica mesmo, mas tente colocar as outras acima. Eu queria saber se vc já chegou a quebrar alguma parede ou se vai quebrar.
    Abraçõs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline. Pedi para eles distribuírem a diferença ao longo da parede, nos demais encontros dos tijolos, o que ameniza bastante o problema.

      As caixinhas estão todas finalizadas a essa altura, vou revestir a barra de ferro e conviver com isso. Foi a única coisa que não tivemos como alterar.

      As paredes que mexemos até agora foram completamente removidas. Acredito que em 2 semanas começaremos a mexer em paredes que não pretendo remover, coisas como abrir uma porta onde não existe, mudar janela de lugar, aí faço um post específico a esse item pois é um assunto delicado quando se fala de alvenaria estrutural.

      Excluir
  2. Oi Wagner.. adorei seu post... estou pesquisando muito pois estamos para fazer a casa dos nossos sonhos tbem em tijolo solo-cimento... me tira uma duvida, quando fizeram o projeto eletrico levaram em consideração o graute, ou seja, é possivel passar o conduite junto com o ferro do graute e concretar junto??? meu marido é eng eletrico e esta fazendo o projeto eletrico da nossa casa, estamos com dificuldades em colocar os interruptores em locais que não seja canto.. alguma sugestão? obriigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Letícia, obrigado!

      Sim, o projeto elétrico/hidráulico foi feito depois do estrutural onde já constavam todos os grouts. Não passamos nada nos grouts, a tubulação é toda vertical sempre nos vazados livres dos tijolos. Como você terá grouts a cada 70 cm (exemplo) e nos cantos, dá para já pensar nos pontos de elétrica e hidráulica longe dos grouts cheios. Não recomendo passar junto pois o vazado é pequeno e você perderá a rigidez estrutural naquele grout. Evitem ter que correr tubulações na horizontal para não terem esse problema de cruzar com grouts.

      Qualquer dúvida, é só falar.

      Boa sorte!

      Excluir