TERRAMAX Capacitação e Treinamento

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Itens Opcionais

Escolhendo Detalhes


É fato que a construção com o tijolo solo-cimento (ecológico) oferece uma série de opções para economizar, padronizar, flexibilizar ou melhorar a usabilidade e praticidade de determinados itens. Há diversos acabamentos ou itens da construção que você pode simplesmente abrir mão, em prol de alguma vantagem. Porém, como tudo na vida, existem vantagens e desvantagens em todas as situações e algumas vezes é difícil fazer a escolha com segurança.

Falo de situações onde podemos deixar de usar alguma coisa que, em uma obra convencional, não seria possível ou viável. Exemplos: caixas de luz, conduítes, revestimentos, forros, etc. Vou defender os argumentos que me fizeram escolher cada um desses itens.

  • Caixas de luz:
O pedreiro bem que tentou me fazer desistir da ideia, mas essa decisão estava baseada numa experiência anterior com a casa "antiga", algo que com certeza clareou as idéias para diversas dessas decisões opcionais.

Na alvenaria com tijolo solo-cimento, como já disse antes, a elétrica tem que ser planejada e definida com antecedência. Bem...em partes. Até é possível chegar na altura de laje sem definir nada disso e sair marcando onde se deseja tomada, interruptor e ponto de luz. Só não vejo isso como prático. Como será necessário um projeto completo, item abordado no post Executando o Primeiro Passo: o Projeto, não faz sentido deixar para a última hora.

Muito embora o vazado do tijolo permita futuras mudanças, o ideal é que já se suba a alvenaria com os pontos definidos e, considerando isso, as caixinhas de luz são embutidas, os conduítes passados, pontos de luz definidos, tudo durante a construção das paredes. Porém você pode não usar caixinhas e nem conduítes. Não usar caixinha permite o local da tomada/interruptor seja furado com uma serra copo, fazendo um furo circular na face do tijolo. Com o espelho no lugar, não haverá diferença aparente nenhuma para a caixa embutida.

Exemplos:

Na casa "antiga"
Onde acabamos colocando de última hora, na parte nova
Como decidimos fazer: tudo com caixa embutida e o fundo cortado
A caixinha de 4x4 resolvemos  não usar e nesse ponto, teremos energia no lado dir. e comunicações (redes, TV a cabo) no lado esq., em conduítes separados para evitar interferência.
Porque decidi a caixinha: veja que a parte interna da tomada/interruptor é parafusada na parede, no tijolo e fixada com uma bucha. Ocorre que, como o tijolo não é cozido e esfarela com facilidade onde não é tratado, a chance dessa tomada soltar é grande, principalmente com intensidade de uso. Há como resolver isso, usando componente adesivo epoxy por exemplo, a bucha ficaria bem fixa, mas é algo que não queria lidar. A caixinha já tem a rosca, o posicionamento certo e embuti-la não chega ser complexo. Só cortar o tijolo com carinho e zelo.

  • Conduítes:
Os conduítes também podem sim ser suprimidos. O vazado dos tijolos permite que você passe os fios, garantindo arrefecimento e isolamento, com dimensão suficiente para qualquer necessidade. Além disso, da mesma forma que a não necessidade da caixinha, desde que determinado vazado do tijolo esteja livre (sem grouts ou hidráulica, sem interrupção por janelas, portas ou vãos livres), é possível colocar uma nova tomada ou interruptor a qualquer momento, sem quebras, sem complexidade.

Conduítes no vazado do tijolo, espaço suficiente para dois ou mais
Conduíte pra todo lado
Quadros elétricos ou de comunicações ajudam a organizar e distribuir os circuitos todos


Decidi pelo conduíte por uma questão de organização e proteção. Me parece muito melhor ter os fios todos acondicionados no conduíte, uma barreira para umidade, alguma lembrança para uma furadeira desavisada e a meu ver, uma maior facilidade de passar a fiação, uma vez que o corrugado do conduíte facilita muito o passa-fio alcançar a outra extremidade. O vazado do tijolo, entre um e outro, pode oferecer alguma resistência, facilmente contornada se estiver passando o fio pela primeira vez, mas que pode ser chateante se o vazado estiver cheio (não seria incomum vários cabos de rede - de bitola maior, preenchendo grande parte do espaço do vazado). Com o conduíte, o caminho já está definido, não haveria resistência.

  • Revestimento:
Esse é um item que varia de acordo com o gosto de cada um, mas deve-se saber que é possível revestir (reboque, gesso, etc) essas paredes a qualquer momento. Como a parede já deve estar no prumo, fica muito mais simples e econômico revestir uma parede dessas, se comparado com alvenaria convencional.

Eu decidi manter assim por uma questão financeira. Algum dia posso vir a passar gesso nas paredes internas, mas pelo lado de fora será obrigatoria e predominantemente tijolo a vista, pela beleza e adequação com o ambiente (chácara).

A única coisa necessária de se fazer é impermeabilizar o tijolo com resina 100% acrílica. Isso repelirá a água e oferecerá proteção contra a ação dos raios solares, que com o tempo deixam a parede rústica. A parede rejuntada e com o impermeabilizante aplicado, fica muito mais bonita.

  • Laje:
Ter ou não laje de alvenaria no papel de forro é algo que fiquei bastante na dúvida. É uma opção bastante adequada o forro de gesso cartonado, bastante resistente e econômico perante a opção de laje de alvenaria, com mesma aparência final. 

Na minha obra, acho que essa decisão veio muito mais de um costume meu em casas com laje sólida (e talvez um preconceito com qualquer outro forro), do que uma decisão lógica. Claro que a opção de poder andar por cima da laje, no caso de alguma manutenção na elétrica ou mesmo no telhado, faz toda a diferença. Passar um fio em uma casa com forro de gesso exige mais trabalho em altura, necessidade de subir no telhado, remover telhas, chegar até o local de alguma maneira. Sem falar que uma laje é eterna, resiste as intempéries e situações inesperadas (e não incomuns) de alguma infiltração de água da chuva pelo telhado. Mas se for considerar a alvenaria leve usando o tijolo ecológico e um forro de gesso, haveria economia em toda a cadeia, desde a fundação, dimensionamento dos grouts,  sustentação do telhado, etc.


Enfim, são algumas decisões bastante particulares, que variam de acordo com o gosto, o projeto, condições, etc. Porém achei interessante abordar isso pois fica sendo um ponto de vista sobre algum partido, pode servir de base para a tomada de decisão dos que passarem pelas mesmas dúvidas.



20 comentários:

  1. Wagner, parabéns pelo seu blog, gostei bastante! Tem boas e valiosas informações!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Contratei um construtor de tijolo ecológico e ele me enganou com fotos de outras pessoas pois minha casa ficou toda torta.Vamos emboçar ela toda! Pra constar SCM ecológico!!!Não construam com eles.São de Búzios RJ!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catia, bom dia. Infelizmente isso é frequente no ramo de construção com tijolo ecológico. Pessoas incapazes e sem o devido cuidado, interesseiros visando apenas o dinheiro e porque não dizer, desonestos em não honrar o compromisso firmado.

      Como trata-se de tijolo a vista, as paredes todas devem ser construídas com esquadro, prumo e nível sempre em ordem, pois não haverá reboco posteriormente para cobrir eventuais falhas.

      Você me deu uma boa ideia com esse seu relato. Criar uma área para uma "Lista Negra" de fornecedores e profissionais não recomendados ou com histórico de problemas no ramo. Isso com certeza pode ajudar os futuros proprietários de obras usando esse tijolo.

      Por favor, se quiser postar mais detalhes, nomes, fotos, me envie um e-mail em solocimentocps@gmail.com, assim conversamos e você expõem esse seu caso para tentar ajudar outras pessoas. O que acha?

      Obrigado.

      Excluir
  3. Oi Wagner obrigada pelo espaço,preciso agora de algumas orientações para o final.Emboçamos 80% da casa por dentro mas o exterior quero manter aparente,preciso muito de orientação quanto à resina e o rejunte.Se puder me orientar agradeço. Fiz um blog para denunciar a construtora> http://tijoloecologico.webnode.com/.SCM Ecológico do Ton Cardoso!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cátia, eu que agradeço sua atitude em divulgar o caso. Não é o mais confortável, mas é o mais correto pois impede que construtores como esse continuem a enganar as pessoas e praticar seus desserviços.

      Tomei a liberdade de criar um post com esse enfoque e relatando seu caso. Veja por favor: http://www.tijolosolocimento.com.br/2013/11/desventuras-com-tijolo-ecologico-e.html . Caso tenha alguma objeção quanto a presença do seu nome ou do link, me aviso que retiro de imediato.

      Quanto a resina, estou com um post quase pronto a ser publicado, estou na dependência de aplicar mais uma demão da resina acrílica para postar a conclusão sobre esse assunto. Rejunte eu ainda não fiz, a resina acrílica antecede esse passo e estou correndo para terminar isso e iniciar o rejunte. Vamos utilizar rejunte flexível como esses que são utilizados em pisos cerâmicos. A resina acrílica, tive insucesso em utilizar a resina a base d'agua, pois não rendeu/deu o resultado que esperávamos. Agora vou aplicar a resina acrílica a base de solvente e ver se consigo o brilho e proteção que desejo.

      Se achar melhor, por favor, me mande um e-mail para solocimentocps@gmail.com pois assim posso tentar ajudar você na suas dúvidas de forma mais rápida e particular.

      Sinta-se a vontade de perguntar o que quiser, quando quiser.

      Excluir
  4. Então você me diz: Resina acrílica + rejunte + resina acrílica ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. A resina antes vai evitar que o rejunte manche o tijolo, uma vez que qualquer coisa que você passar no tijolo vai ser absorvido. Com a resina, espera-se impermeabilizar/selar os poros da face do tijolo, o que impede essa absorção. Aí rejunta tudo, depois volta a passar mais uma demão para conferir essa impermeabilização ao rejunte também e para uniformizar o brilho em tudo.

      Prepare-se porque o tijolo absorve muito a resina. Eu já gastei 2 latas de 18 litros para fazer o interno até a altura de laje e parece que não passei nada. Se jogar água na parede, dá para perceber onde está impermeabilizado, mas o brilho que gostaria não aconteceu. Sem falar que para resistir a água e impedir que o tijolo esfarele, precisa de mais pelo menos duas demãos. Vou gastar por volta de 10 latas de 18 litros na casa toda, ao custo de pelo menos R$ 170,00 cada lata.

      Excluir
  5. Já percebi isso...Coisas que ninguém te conta! Falar do valor dos tijolos é fácil e atraente.Mas vou te dizer: jamais faria novamente! Até agora meu saldo foi negativo e não consigo achar a vantagem disso tudo. Bastante desanimada!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cátia, seu caso é complicado pois você teve problemas com a mão de obra. Eu te digo sinceramente, se fosse alvenaria convencional eu não teria chegado onde cheguei. Tenho hoje um custo de pouco mais de R$ 600,00 por m², isso considerando todos os meus custos desde que comprei a casa para ampliar. Gastei muito com a terraplenagem e aterro. Jamais casa nenhuma convencional chegaria nesse preço e nessa velocidade de execução. E imagina agora, se fosse uma casa comum: para eu entrar para morar, só preciso colocar portas, janelas, pias, revestimento, terminar o rejunte e a impermeabilização. Se fosse tijolo baiano ou bloco, ainda teria que rebocar a casa toda, passar massa corrida, pintar. O custo disso é muito superior ao que precisarei gastar para deixar a casa pronta.
      É difícil falar, cada casa é um caso, mas duas coisas são primordiais para ter sucesso com esse tijolo: um bom projeto/planejamento e uma boa mão de obra. Eu não sou defensor de nenhum método, não vou dizer nunca que tijolo solo-cimento é o que há de melhor. Apenas evidenciei que, se fosse de outro modo, minha casa não estaria no estágio que está. Isso é notável e fácil de evidenciar.
      O que lhe resta agora é se certificar que a estrutura da casa está segura e rebocar a casa toda. Assim você não fica convivendo com defeitos que vão lhe tirar o prazer de morar na casa.

      Excluir
  6. Wagner, boa tarde! Sou fabricante de tijolos e, verificando suas postagens, principalmente sobre a questão da impermeabilização, entramos numa situação que não concordo com a atitude de alguns outros fabricantes em afirmar que o tijolo sem revestimento gera economia. Se considerarmos material e mão de obra para rejunte, além do custo de um bom impermeabilizante seguido também do custo da aplicação, os custos se aproximam muito do revestimento com outros materiais, sendo que alguns deles ficam até mesmo mais baratos (gesso, monocapa, etc). Por outro lado, tem situações que o construtor prefere o tijolo aparente por questão de gosto e não pela economia. Abraços e sucesso no final da sua obra. Att, Marcelo Baggio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Marcelo.

      Agradeço sua visita e seu comentário. No meu caso, a opção pelo tijolo a vista é também estético, mas cheguei a fazer um levantamento do custo para rebocar a casa toda por dentro ou aplicar gesso. Ambos os custos são bem altos considerando mão de obra e materiais.
      Realmente o impermeabilizante é o vilão do custo nessa história de deixar o tijolo aparente, mas mesmo assim ainda compensaria perante o custo do gesso, pois haveria a necessidade de pintar do mesmo jeito e isso acaba incidindo em um custo que rivaliza com o do impermeabilizante.

      Na minha forma de ver, não vale a pena usar tijolo solo-cimento caso haja o interesse de rebocar. Nesse caso, me parece ser mais racional a adoção de bloco cerâmico, pois o trabalho com tijolo solo-cimento exige uma dedicação maior independente de estar a vista ou não, algo que pode ser mais facilmente trabalhado com o bloco cerâmico.

      De qualquer forma, agradeço mais uma vez sua opinião e fique a vontade para deixar sua opinião onde e quando quiser. Isso com certeza fortalece a comunidade em prol do tijolo e ajuda a orientar as pessoas sob os mais variados pontos de vista.

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Olá Wagner, gostei da sua iniciativa e dicas, Eu estou pra construir uma casa de veraneio e quero fazer em duas parte; inicialmente um "kit basico" (quarto, banheiro e cozinha; com 45m2), e depois fazer o restante da casa q no total terá cerca de 180m2.
    Eu li suas dicas e os comentários acima, e estou em duvida se uso o tijolo solo cimento ou não. Eu, particularmente não gosto do tijolo a vista, minha intenção era fazer essa primeira fase com tijolo solo cimento e deixar o tijolo a vista, e ao concluir a segunda parte ai faria o acabamento sobre eles, mas com os comentários e suas dicas, não sei se vale a pena.
    Me parece q o uso de tijolo solo cimento é mais econômica, o tijolo em si é mais caro, mas economiza com madeira, argamassa, ferro, concreto, mão-de-obra, tb pesa a favor a facilidade de instalações hidráulicas e elétrica e a agilidade. Vc comenta um valor de 600 o m2, não me ficou claro se esse valor é com mão de obra, inclusive, ou só material (inclusive, se puder me esclareceu eu lhe agradeço); vc acha q se for pra colocar gesso por dentro e por fora (por fora seria o que reboco?), e se rebocar, mesmo assim precisa antes impermeabilizar? sai mto mais caro e não compensa o tijolo solo cimento, mesmo considerando q o volume de material será bem menor face o alinhamento das paredes e do próprio tijolo ser mais liso, penso até q a mão de obra tb seria mais fácil?
    Eu achei varias tabelas comparativas na internet, mas nenhuma leva em conta o acabamento com gesso, ou reboco na opção do tijolo solo cimento, uma citam uma economia de 30% outros chegam a até 50%, mas acho q todas q achei são de fabricantes de tijolo solo cimento, sendo portanto meio suspeito confiar 100%.
    Se vc puder tb citar qtos m2 foram pra essa sua estimativa de 10 latas de 18 litros de resina, seria interessante.

    Gostaria de aproveitar e complementar sobre o seu artigo, sobre a laje tb pesa o fato de melhor conforto térmico.

    Desculpa se foram mtas perguntas, mas desde já agradeço seus comentários e ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danilo, como vai? Vamos as respostas:

      1 - Primeira coisa a se considerar nesse seu caso, é que seu projeto precisa ser modular. Ou seja, o projeto muito provavelmente terá que ser feito completo, pensando na construção toda e desenvolvido de uma forma em que possa ser feito em partes. Há implicações estruturais nisso que precisam ser levados em consideração para facilitar o crescimento/ampliação depois. Isso é muito importante!

      2 - Visitei recentemente uma casa em que o dono também não gosta do tijolo a vista e irá aplicar gesso na maioria das paredes. Ele usou um produto diferente para impermeabilização, é um produto similar ao Bianco da Vedacit (era da concorrente Sika ou Viapol, não me recordo exatamente), pois nesse caso não há a preocupação com a aparência visto que o gesso vai cobrir tudo. O rendimento (e o custo) era infinitamente melhor do que o da resina, porém não seria o caso de aplicá-lo e usar a casa, até que num segundo momento fosse aplicado o gesso. Acho que esse acabamento você precisa fazer em definitivo na alvenaria, pensando na proteção da mesma.

      3 - A questão da economia sob tijolo solo-cimento é algo nem sempre determinante. Vai depender muito do tipo de construção, principalmente dos acabamentos e visual desejado. Fato é que, em minha obra hoje estamos no custo de R$ 677,53 por m² de construção bruta (sem acabamento) completa (material, MO, serviços todos). Se considerar os gastos que tive com o radier (mais caro que viga baldrame inicialmente), com toda a terraplenagem (algo totalmente particular de minha obra) e com o madeiramento que escolhi (bem mais caro do que poderia ser em outras construções), acredito que esse valor seja muito bom, ótimo custo até então. Não sei se conseguiria chegar na construção bruta com um custo desse, usando alvenaria convencional e mais, em uma casa bruta em alvenaria convencional ainda faltaria passos custosos e trabalhosos como o reboco de todas as paredes, preparação da hidráulica e elétrica (quebra-quebra). Ou seja, a conclusão estaria mais distante do que está pra mim hoje. Isso é um diferencial grande.

      4 - Bom, quanto as resinas, continua a novela. Estou na 11ª ou 12ª lata...rs. Acredito que vá mais. O tijolo absorve muito essa resina, não estou usando o selador, talvez esse tenha sido meu erro, mas sinceramente, o trabalho de passar o selador em tudo não me convenceu. Prefiro passar mais uma demão da resina e conferir mais brilho, do que ter o trabalho semelhante com o selador. Talvez eu teste novamente o selador na área de alvenaria que está totalmente exposta ao tempo, essas partes da casa que estão descobertas acima do telhado. De qualquer forma, acho que o rendimento informado na lata (110 m² de tijolos à vista por lata de 18 l) é próximo do real e pode ser levado em consideração. Por exemplo, o galão pequeno rende 22 m², isso me rende 2 paredes completas de 3 metros de pé direito, com 4 metros de comprimento cada uma (24 m² de alvenaria). Então o correto é você calcular as áreas de alvenaria para ter uma base e se quiser ser mais caprichoso e eficaz, use a base seladora para deixar a coisa mais uniforme.

      Não estou certo da metragem quadrada das alvenarias da minha obra, é algo até que preciso calcular, mas é fato certo que devo gastar um bom dinheiro nesse acabamento (tenho pés direitos altos, o que encarece), algo inferior ao reboque, mas também não muito menos, só é mais prático, rápido e limpo do que rebocar tudo. Deve-se considerar o custo do rejunte também nesse processo, pois a ideia é 2 demãos em tudo, rejuntar (rejunte branco e terra do tijolo 50/50) e aplicar mais uma demão final em tudo. Definitivamente não é aí que se economiza dinheiro, apenas tempo.


      Enfim, pergunte-me o que quiser, quantas vezes precisar. Sou apenas um entusiasta, não tenho embasamento técnico suficiente, mas tenho lições aprendidas nessa obra que podem te ajudar na sua escolha. Boa sorte!

      Excluir
  9. Wagner, muito obrigado pela resposta e atenção.
    Acho realmente q o tijolo ecológico mto pratico e agiliza a obra, não vejo problemas em já colocar o gesso por dentro e rebocar por fora, minha duvida era mais o custo disso e deixaria o uso do tijolo solo cimento igual ou até mais caro, mas pelo que entendi, não deve sair mto mais caro do que resinar.

    esse custo bruto da sua obra é realmente bem baixo, li mais alguns topicos do seu blog e vi q ja tinha uma casa antes da construção; esse custo vc acha q é pelo aproveitamento já da estrutura antiga, ou esse custo q vc cita são apenas das partes novas construídas?

    mais uma vez mto obrigado, eu estou lendo seu blog inteiro (rs), certamente terei mais perguntas a frente. É bem útil pra quem está começando, é como um diário de bordo, evita que façamos alguns erros.
    gde abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Danilo.
      Não acredito que rebocar tudo irá tornar a obra com tijolo solo-cimento mais cara. No máximo empatar. Ocorre que a mão de obra nesse tijolo é mais exigente na questão do capricho e qualidade final para que apresente prumo e nível OK já no tijolo aparente. Como o reboque tem também essa função e preocupação, seria como fazer o trabalho duas vezes. Porém, por outro lado, levantando as paredes no prumo, o trabalho de reboque será bem mais fácil. Não são excludentes.

      Na verdade o fator reforma da minha obra só complicou mais as coisas. Não acredito que tenha facilitado nada, muito menos custos. Acho que o valor que obtive se deve a quantidade de orçamentos sobre tudo que utilizei, consegui ótimos descontos e condições. Também penso que ter encontrado uma mão de obra de valor adequado, tornou isso possível. Porém, o que me foi passado antes do início da obra, de um custo em torno de R$ 800,00 o m² bruto e de 1200 a 1500 acabado, não está longe de se tornar realidade. Não há nenhum luxo nos acabamentos que pretendemos, porém as coisas nessa fase são bem caras e vão fazer esse valor subir para esses patamares com certeza.

      Estou aqui para ajudar no que precisar.

      Abraço!

      Excluir
  10. Bom dia, Wagner.
    Mandei uma pergunta antes, mas não sei se chegou.
    Por isso, melhor repetir. Estou prestes a construir uma casa utilizando tijolo de solo cimento e gostaria de saber sua opinião a respeito de rebocá-la com calficite, por uma questão de estética e também de manter a ideia de revestimento mais ecologico.
    Grata e um abraço.
    Cláudia Barbosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cláudia, bom dia. Obrigado pela visita.

      Olha, eu não conhecia esse revestimento, fui procurar e vi que usa cimento e barro né? Bacana, taí uma coisa nova que eu não conhecia.

      Eu acho que é válido e possível revestir usando essa massa. Com o cimento que vai na mistura, ela deve aderir sim como se fosse em outra parede qualquer. Não vejo nenhum empecilho em usar esse revestimento, embora nunca tenha visto na prática como fica.

      Com certeza você terá ainda mais proteção térmica e protegerá o tijolo. Precisa só se preocupar em como o Calfitice resiste a umidade, como por exemplo chuva diretamente na parede ou na hora de lavar algum ambiente. Acredito que você não deva resinar por baixo o tijolo antes do calfitice, para que haja aderência entre eles. Mas aí seria necessário alguma proteção por cima do calfitice, pois imagino que naturalmente ele deva absorver bastante umidade. Resolvendo isso, seria como um reboco qualquer.

      Fiquei curioso de ver isso na prática. Se fizer, por favor, me mande uma foto de como fica.

      Obrigado e boa sorte!

      Excluir
  11. Ola, me chamo Bruno,

    Estava pensando em construir com este tipo de tijolo, porem nao gostaria q os tijolos ficassem amostra. Gostaria de saber se tem como rebocar pra parede ficar lisa, pra fazer uma pintura como das casas construidas com tijlo "normal".

    E tambem se for possivel rebocar, acredito que melhora a resistencia da alvenaria e melhora a impermeablizacao de agua.

    E se o tijolo ecologico nao suporta a umidade, certamente é passado sobre ele algum bom impermebilizante no fim da obra, certo? Pq no caso dos tijolos que nao recebem o reboco tem q haver alguma protecao contra a umidade....

    Obrigado, e boa noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bruno, bom dia.

      Você pode rebocar normalmente, como qualquer alvenaria convencional. Não terá função estrutural, ou seja, não muda a questão de resistência ou qualquer coisa do tipo.

      Convém que em áreas molhadas como banheiros, se faça uma impermeabilização antecedendo a massa do reboco. Para isso pode ser utilizado Bianco, Viaplus, ou produtos semelhante.

      No caso dos tijolos ficarem expostos, usamos hidrofugantes ou impermeabilizantes. Eu optei pela segunda opção e usei resina acrílica. Mas se for rebocar, não precisará usá-la.

      Boa sorte!

      Excluir