TERRAMAX Capacitação e Treinamento

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Um Grande Investimento, Insuperável Retorno

Quando Empenho e Sacrifício Se Fazem Valer


Muito pode ser dito hoje, a cerca do investimento no mercado imobiliário. Certamente existem economistas e especialistas do ramo mais gabaritados do que eu para abordar o tema e apresentar fatos sobre o assunto. Eu só posso tentar demonstrar sobre como cheguei até a condição atual, quais dificuldades passei e qual o retorno do investimento que fiz.

Retorno: o que se espera de um investimento. Diferentemente de um investimento no mercado financeiro, quando se entra no cenário de um investimento imobiliário feito por uma família que visa aquilo como moradia, certamente não são apenas números e quantias que o compõem. Ainda que o retorno financeiro em se adquirir um imóvel seja visto como certo nos dias de hoje, para imensa maioria, o jogo não é tão simples e não se trata apenas de empregar bem o seu dinheiro, tendo segurança e certa garantia de que vai valer a pena.

No mercado financeiro, os adjetivos óbvio, seguro e garantido são quase sempre impronunciáveis. Não há um só investimento 100% seguro, com retorno garantido. É justamente o risco que faz com que existam retornos para alguma das partes, a insegurança e incerteza sempre beneficiarão algum dos lados pela aposta feita antes. Para mim, investir no mercado financeiro é como jogar um jogo de azar. Há muitas táticas, muitas formas, vários os jogos e as perspectivas de retorno. Sabidamente nenhuma garantia, controle e são poucas tendências a se considerar. Você analisa, aposta, aguarda e obtêm o resultado, seja na forma de prejuízo ou lucro.

Na vida pessoal não é diferente. O que diferencia um investimento pessoal de um puramente financeiro, é a forma de retorno, que quase sempre é bem mais complexa e porque não, completa no quesito pessoal. Dado que nem só de dinheiro vivemos e observado o fato de que estamos sempre tendo que fazer escolhas e apostas, podemos assumir que estamos todo tempo investindo, com os mais variados recursos que dispomos. Tempo, vida, saúde, dedicação, posturas, limitações, condições, sentimentos e fé, são algumas moedas daquilo que investimos ao longo de nossas vidas. Os retornos também são os mais variados, muitas vezes diretamente ligados com aquilo que foi investido e da mesma forma que no mercado financeiro, existem os retornos positivos e os negativos.

Quando decidimos por investir em uma casa, muita coisa estava em jogo. A aposta era grande, afinal não viemos de uma condição financeira que permitia um investimento forte que apresentasse melhores condições e uma porção maior de garantias. O fracasso e a falência seriam enormes derrotas, com consequências drásticas. Havia nosso bem-estar, nosso casamento, nossa vida em família, satisfação pessoal, perspectiva de futuro, uma série de coisas em jogo. Perder não era uma opção válida. Quando passamos a considerar então construir, a aposta se tornava muito mais cara e arriscada. Mas, da mesma forma de que no mercado financeiro, quanto maior o risco, maior o potencial retorno.

Tentei me agarrar nisso, tentei observar tudo aquilo que estava me pretendendo a enfrentar, como uma longa busca de um retorno que não pude observar em nenhum outro objeto de investimento que procurei, algo para qual tinha a função de moradia. Rodei o mercado, gastei sola do sapato, não limitei as "oportunidades", vi de um tudo e na minoria delas encontrei realmente alguma chance de retorno adequado. Somente em uma, praticamente a última casa que eu fui visitar, vi a possibilidade de um retorno a altura da pretensão do nosso investimento. Talvez alí, sobre todos os riscos, nós poderíamos fazer realmente valer todos os recursos que investiríamos (não só financeiros) e ter de volta tudo aquilo diretamente ligado, amplificado. Surgiu um local que poderia nos render qualidade de vida, alegria, sentimento de conquista e superação, valorização pessoal e um futuro sólido. Decidimos então apostar.

Aposta feita, não dá mais para voltar atrás. Se desistir, perde mais. Se for necessário, terá que aumentar a aposta. O retorno continua alí, discreto, improvável, mas possível. Passamos por isso confiantes de que valeria a pena, que logo mais poderíamos olhar para tudo aquilo e dizer: "foi por isso e para isso que lutamos, esse é o retorno que esperávamos". Só não sabíamos que isso poderia ser superado, que a grandiosidade do retorno poderia nos surpreender e tornar o investimento ainda mais válido e comprovadamente certo.

É o que essas imagens representam para nós agora, uma moeda valiosíssima em nosso nome, nos dando plenos direitos de nos sentirmos orgulhosos, satisfeitos e imensamente felizes. Endossando nossa certeza de que era sim isso que queríamos e que isso tudo tende a superar nossas ambições, fazendo de nosso investimento o melhor que poderia ter sido feito, sem nenhuma sombra de dúvidas.









Antes de investir, não será possível afirmar que é válido, certeiro. Somente quando vierem os resultados, é que parecerá óbvio que valia a pena e que era o melhor a ser feito. Ninguém vai conseguir te vender essa ideia, te garantir que acontecerá. Mas se vale de incentivo, não tem jeito melhor de descobrir-se bem aventurado em um investimento, do que depois de viver o risco da aposta, observar pessoalmente a evidência do sucesso. Invistam...perder tempo também é um investimento e esse sim, garantidamente fadado ao fracasso/desperdício.




quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Conserto

Resvolvida a M...


Para fechar o assunto do problema que tive no vão da janela da sala, ontem foi refeita alvenaria no local e feitas as amarrações devidas.




Foram feitas mais três cintas de amarração além das duas estão nas duas fiadas imediatamente acima do vão. Assim teremos a firmeza necessária para o vão de 2 metros que é formado pela janela de madeira que irá para esse local.

Seguimos avançando agora para a regularização do contrapiso e algumas atividades de acabamento.








Ei! Já viu os marcadores de temas na lateral direita do Blog? Com eles você filtra os posts pelos seus temas! Um dos marcadores é o Alvenaria, confira: http://www.tijolosolocimento.com.br/search/label/Alvenaria



terça-feira, 24 de setembro de 2013

Telhamento OK (Telhado 7)

Casa Coberta, A Principal Meta Parcial Atingida


Esse é o marco que almejamos todo esse tempo e sabíamos que seria difícil atingi-lo. Mas se havia uma coisa que precisava ser feita, um conjunto de ações contínuo que não poderia ser interrompido sobre risco de prejuízo, um porto seguro que precisávamos confiar e batalhar para alcançar, era esse momento da casa coberta, construção bruta finalizada com a conclusão do telhado.

Antes mesmo de começar a obra, existiam inúmeros receios de que não conseguiríamos terminar. De fato, esse risco é real e importante de se levar em consideração, é até algo que pode vir a nos acontecer e acontece com muitos outros que travam a mesma batalha. Diante disso, meu procedimento pessoal é procurar identificar os riscos e traçar um plano de ação com algumas saídas para o caso de a coisa não evoluir como se espera. Na tentativa de ser racional identifiquei que, ao menos até a conclusão do telhado, nós teríamos que chegar. Primeiro porque uma vez coberta a casa, minimizam-se os prejuízos de uma paralisação, outra porque seria um grande avanço chegar até essa fase, o que simplificaria e reduziria bastante as pendências e tarefas faltantes para a conclusão completa e nossa tão esperada mudança. Nós tínhamos que conseguir isso a qualquer custo, aproveitando a MO já contratada, aproveitando as boas condições climáticas, aproveitando o atual momento de dedicação, empenho pessoal e financeiro, valorizando e intensificando o sacrifício exercitado ao longo do processo.

Essa postura sem dúvidas me custou alguns fios de cabelos e talvez algum tempo de vida, pois considero a conclusão da construção bruta, um percentual de 80% de toda a obra, no quesito esforço, tempo e criticidade. Financeiramente, pode representar menos, uma vez que o acabamento influi em milhares de opções e custos somados que podem ultrapassar facilmente metade de tudo que já foi gasto até então. Mas para se botar uma casa de pé, embutir toda a infraestrutura, garantindo segurança, manutenção e usabilidade, deve-se cumprir passos valiosos, bastante críticos e complexos. Concluir isso sem dúvida é tirar um enorme peso das costas.

Reduzimos o peso então, nesse final de semana. A casa foi praticamente toda coberta, restando apenas alguns arremates e para completa segurança, a execução de rufos e outros serviços de serralheria/calheiro. Os resultados validam todo esse sacrífico que citei acima e por mais difícil que seja a continuação do processo, ter essas imagens em mente ajuda muito a incentivar mais esforços e mais dedicação.






Sensação ímpar chegar nesse ponto e respirar fundo aliviado, com a sensação de dever cumprido. Mesmo que ainda reste muito para nos mudarmos, nós tínhamos uma meta e ela foi atingida. Tenho para mim que quando a conquista é muito grande, precisamos mirar em algo menor, dar um passo atrás em sua pretensão e imaginar-se feliz mesmo com algo que antecede o objetivo maior. Para nós, ter a casa nesse estágio é uma vitória grandiosíssima que faz das coisas que faltam, menos importantes. Foi para chegar nesse momento que vivemos esses dias tão difíceis e tão intensos. É uma realização muito grande e motivo de muita alegria postar isso aqui hoje, relembrando tudo que vivemos até então.

Longa vida a nossa casa, longa vida ao trabalho e longa vida aos sonhos! Vivemos para isso, caso contrário não valeria a pena vivermos tanto tempo.



segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Deu M...

A Essa Altura do Campeonato


Peço desculpas pela menção de um palavrão, mas não achei nada melhor representasse a situação. Fato é que 2 dias antes de finalizar o telhado, etapa tão esperada e arduamente conquistada, "surgiu" um problema que não deveria ter acontecido.

Na quinta-feira, 19/09/2013, quando fui a obra, estavam finalizando a colocação de telhas da água frontal do telhado e a colocação do forro de cedro no mezanino. Eram as últimas tarefas mais trabalhosas da montagem do telhado, feito isso, restava pouco para cobrir tudo por completo. Com a chegada da primavera, do período de chuvas e dessas frentes frias recentes, concluir o telhado era prioritário e o que mais me preocupava. O trabalho avançava regularmente e satisfatoriamente. Eis que então acontece algo para acrescentar tensão: o vão da parede frontal, onde ficará uma janela de 2 x 1,60 m, começa a ceder e trincar os tijolos.

Incrédulo com tudo aquilo que estava acontecendo, ao bater o olho nos tijolos acima do vão e em uma tábua que restou da escora (que havia sido retirada), notei que havia algo muito errado. A água das chuvas do começo da semana penetraram nos tijolos e essa parede, onde havia também o peso das vigas do telhado entre a sala e a varanda, não resistiu a carga e cedeu. Vale dizer que, nenhuma dessas duas condições justifica isso ter ocorrido, uma vez que um vão grande como esse de 2 metros deveria ter 2 ou 3 cintas de amarração para evitar que isso acontecesse e se tivesse sido feito isso, não teria realmente acontecido.






Inaceitável um erro desses nesse momento, mas não resolve nada lamentar. Me resta expressar a insatisfação, absorver o prejuízo, entender o que precisa ser feito e cobrar a solução. Estou exigindo que o trabalho de recuperação disso seja impecável e vou cobrar isso intensamente. Resolver o problema agora consiste em remover todos os tijolos acima da única cinta que foi feita, na fiada acima do vão e montar a parede de novo, com 3 ou 4 cintas novas, de canto a canto. Isso era o que deveria ter sido feito e deve resolver. Vamos ver como fica o resultado.





Difícil é entender que "shit happens", mas de fato, elas acontecem...









Ei! Já viu os marcadores de temas na lateral direita do Blog? Com eles você filtra os posts pelos seus temas! Um dos marcadores é o Alvenaria, confira: http://www.tijolosolocimento.com.br/search/label/Alvenaria




terça-feira, 17 de setembro de 2013

Forro, Ripas e Verniz (Telhado 6)

Flertando com a Completude


Esses são dias muito marcantes. A nossa sensação com a evolução do telhado, a aparência da casa e a proximidade com a conclusão da construção tem nos deixado bastante empolgados. A cada ripa no lugar, cada telha, cada tabeira, ficamos mais satisfeitos e felizes com o resultado. Têm sido difícil de acreditar que chegamos até aqui. O atingimento dessa meta parcial porém tão significativa, é uma sensação indescritível. 

A conclusão do telhado praticamente encerra a fase de construção bruta, restando depois poucos detalhes e serviços que antecedem o acabamento. Os avanços na semana passada foram consideráveis e a previsão é que até o final dessa semana tenhamos tudo coberto.

Hoje já temos uma das águas quase que finalizada, grande parte do telhado ripado e nosso forro de cedro colocado no telhado correspondente a sala. Já estão envernizando o madeiramento com Polisten da Sayerlack, um impregnante que penetra na madeira impermeabilizando-a, além de ter ação fungicida, inseticida e proteger da ação dos raios solares. Um produto caro mas bem mais eficaz e durável que o verniz comum.

Forro de cedro mesclado longo


Ripamento do telhado lateral 

O forro/lambril por baixo, antes de aplicar o impregnante:



Por cima do forro colocamos uma manta térmica para proteger contra intempéries e melhorar o conforto térmico internamente

Aqui o telhado lateral já finalizado e com a primeira demão de impregnante:






Essa a vista da lateral/frontal da casa, a partir dos terrenos vizinhos. Ficou MUITO bonita, não tínhamos ideia de que ficaria tão imponente desse jeito. Nenhum desenho do mundo conseguiria antecipar esses resultados e nenhum dinheiro do mundo paga a felicidade que estamos sentindo em ver nosso sonho surpreendendo tanto!




Só temos a agradecer todos os envolvidos na execução dessa obra, a contribuição de todos fez essa obra se tornar uma casa maravilhosa. Em frente!





sexta-feira, 13 de setembro de 2013

V da Vitória

Pequenos Detalhes, Grandes Significados


Uma das coisas mais certas que fizemos foi contratar alguém capacitado para elaboração do projeto. Essa pessoa é o sr. Carlos Fachinelli, que já citei aqui outras vezes e não por acaso postei em primeiro lugar na página de Fornecedores.

Com certeza tivemos e estamos tendo ajuda de muitas pessoas para que a obra seja executada e se torne uma casa bem construída. Mas se existe uma pessoa que fez nosso sonho ganhar formas e realmente sair do papel, essa pessoa é o sr. Carlos.

Com vasta experiência, enorme visão, sincero e simples, sua contribuição para nosso projeto é indiscutível. Temos hoje uma casa de pé que saiu de um projeto muito bem pensado, solucionando todos os problemas e superando amplamente nossas necessidades e expectativas. Não sei se nossa satisfação seria tamanha com outro projeto, outro responsável. Devemos a ele todos os elogios e admirações que nossa casa têm despertado nas pessoas e ainda vamos agradecê-lo muito pela usabilidade que essa casa vai proporcionar a nós moradores.

Mas estou citando ele, não pela usabilidade, não pela inteligência e nem pela eficácia do projeto - todos quesitos comprovados. Estou citando pois ele foi além do senso comum e colocou charme em detalhes que não teriam de outra forma. Um desses detalhes é o vazado em "V" na parede frontal que divide os dois telhados das varandas.

A função desse "V" é reduzir a resistência do topo da parede com relação as correntes de vento que poderiam ser ensacadas nessas parte do telhado, uma vez que ele segue a altura da caixa d'agua e dos pés direitos. É uma parede bastante alta, 6,20 m de altura, com certeza iria sofrer muito ao longo do tempo, especialmente com ventos do norte. Não discutimos isso, sequer passou isso pela minha cabeça e imagino agora que soluções existiriam várias. Mas quando nos foi apresentado o projeto arquitetônico, ele veio mostrando o "V" e já salientando que era marca registrada nos projetos dele, decidimos que nunca iriamos mudar aquela solução. Aquela parede vazada conferia o requinte, o algo a mais que a casa pedia, para se destacar e diferenciar das demais casas do local, sem que fosse necessário alguma mirabolância ou invenção de moda. Era necessário, adequado, bonito e de muito bom gosto. Daquelas coisas que você viveria sem, aceitaria normalmente qualquer outra solução, mas uma vez imaginado, difícil de ser ignorado.

E não houve nada e nem ninguém que me fizesse mudar de ideia. Já fiz, ao longo do tempo, diversos planos para iluminação e realce desse lugar, algo que farei de um jeito ou de outro, tendo dinheiro ou não. Mesmo vendo certa resistência do pedreiro e a dificuldade real de se fazer um recorte desses na alvenaria, seguiremos em frente.

A ideia:



O projeto em detalhe:


A execução:

09/05/2013
05/09/2013
08/09/2013
O pedreiro sr. Camilo acabou fugindo do projetado, em prol de uma maior facilidade em cortar as arestas inclinadas posteriormente. Dessa forma, com uma escada de tijolos ficou mais fácil cortar os topos para dar o acabamento linear à parte inferior do "V". 

No respaldo acima do vazado, ficou definido utilizarmos tijolos do tipo canaletas preenchidos com concreto e ferragem para dar firmeza e amarração a parede, acima do vão e por toda sua extensão.

10/10/2013
10/10/2013
Concluído:

11/09/2013

11/09/2013

11/09/2013
11/09/2013

Por hora, o que falta é colocar um rufo em cima e nas arestas do "V", quem sabe dar acabamento com uma massa fina também para facilitar a fixação do rufo.

Inicialmente, por condição financeira, deixaremos em tijolo aparente como o resto da casa. Mas o plano futuro é revestir toda essa parede com pedra palito/filete São Tomé ou Canjiquinha. Assim quebramos o padrão do tijolo a vista e destacamos ainda mais essa parede. Com uma iluminação do tipo uplight, partindo do chão, ficará ainda mais cheia de estilo. O "V" poderá também ser iluminado e nos dias de festa imagino que fará sucesso.

Essa é nossa cereja no bolo, aquele detalhe que não muda muito o dia-a-dia da casa, mas gera aquela vontade de admirar a casa todos os dias, por mais acostumados e acomodados que fiquemos com tudo isso. Significa muito agora, sempre que nos perguntarem, teremos motivos de sobra para dizer que é o V da vitória que foi planejar e construir essa casa!


Nosso sincero obrigado sr. Carlos, essa VITÓRIA também é sua!



quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Telhas (Telhado 5)

Para Finalizar a Cobertura


Estava na minha pendência acelerar as compras das telhas para que fosse feito a galga do ripamento. Com isso podemos avançar com a colocação do forrinho, manta térmica e as ripas, atividades em execução nesse momento.

Corri atrás do melhor preço como sempre, mas acabei gastando um pouquinho a mais para pegar uma telha resinada, impermeabilizada com resina acrílica. A resina ajuda, além da impemeabilização, também para evitar que a telha escureça rápido, crie manchas e acumule sujeira/pó. Muito útil num ambiente úmido e de chácara.

Comprei essas telhas americanas na CampHouse, fabricada pela Cerâmica Itutex, seguindo o tipo de telha que já tinhamos no telhado da casa "antiga", muito embora não sejam do mesmo fabricante. Me pareceu de boa qualidade, rendimento de 12,5 por m², foram entregues de um dia para o outro, o que fez toda a diferença para fecharmos o negócio. 

Foram 2800 telhas, 25 cumeeiras e 1 ponteira. O telhado tem ± 263 m² já no plano inclinado (conversão através da multiplicação da área da planta pelo fator de correção (F.C.) - vide tabela no site TopTelha). Multiplicando essa área pelo rendimento da telha, resulta em 3296 telhas. Considerando 5% de perdas, chegamos na necessidade de 3461 telhas. Como já tenho uma quantidade de telha antiga que julgo estar próxima de 600 unidades, comprei somente 2800 telhas. Espero ter acertado na conta, logo saberemos.




As 25 cumeeiras...
E a única ponteira que será necessária

Acredito que no final da semana que vem, semana do dia 20/09, teremos a casa toda telhada. Assim cumpro o fechamento de mais uma meta parcial (telhado) e também uma das grandes metas iniciais, que seria terminar a construção bruta - sem acabamento. Tudo isso antes da primavera e início das chuvas. Será perfeito se assim acontecer.




quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Panorama em 10/09/2013

Executado x Planejado


Executado:

  • Terraplenagem - 03/11/2012 á 13/03/2013;
  • Compactação/Nivelamento- 12 á 30/04/2013;
  • Fundação - 04 á 23/05/2013;
  • Primeira Fiada - 03 á 06/06/2013;
  • Hidráulica e Elétrica -13/05 á 28/06/2013 
  • Altura de Contra Verga (1,10 m) - 18/06/2013;
  • Altura de Verga (2,20 m) - 03/07/2013;
  • Fechamento de Vãos e Escoras - 05/07/2013;
  • Montagem da laje (treliças e lajotas) - 20/07/2013;
  • Respaldo, amarrações e preparação para concretagem da laje - 28/07/2013;
  • Concretagem da laje - 30/07/2013;
  • Oitões e colunas - 16/08/2013;
  • Reforma Casa "Antiga" (Mudança de Portas e Janelas) - 10/09/2013;
  • Telhado (Madeiramento OK) - 11/09/2013;

Planejado/Pendente:

  • Telhado (Telhas);
  • Massa de Regularização;
  • Colocação de Esquadrias;
  • Louças e Revestimento;
  • Rejunte e Impermeabilização;
  • Elétrica.