TERRAMAX Capacitação e Treinamento

terça-feira, 8 de abril de 2014

Opa, Cadê a Economia?!

Será Que Ela Existe?


O que talvez seja o ponto mais polêmico da construção utilizando tijolo solo-cimento (ecológico), é a economia que muitos afirmam em dizer (eu inclusive já afirmei aqui) que esse método traz.

Realmente o custo com materiais básicos como cimento, areia, pedrisco, ferro, sem falar dos desperdícios com madeiras para caixarias, etc, é bem menor na construção usando o tijolo, se comparado com a alvenaria convencional. Enquanto o milheiro do tijolo solo-cimento é mais caro do que um bloco de concreto, tijolo baiano e outros, nos materiais básicos outros você acaba compensando a diferença, especialmente se pensar que o gasto com cimento é muito reduzido, uma vez que tudo será assentado na cola. Logo, uma vez mantido o acabamento da alvenaria em tijolo a vista, também há de se supor que a economia com reboque seja grande e mantenha a tal porcentagem que muitos outros sites e referências na construção utilizando solo-cimento, citam. Algo em torno de 30 a 40% de economia.

Pois bem, eu estou começando a questionar esses números. Explico: some os custos da resina acrílica, o rejunte flexível e a mão de obra referente a esses serviços. Divida isso por m² de alvenaria. Depois, levante o custo estimado por m² de um reboque bem feito, nivelado, prumado e pronto para aplicação de massa corrida. Considere os materiais básicos e também a mão de obra. Some também, nessa vertente, o custo dessa massa corrida e pintura, para deixar a parede acabada. Talvez ocorra uma surpresa quando for comparar os resultados.

Não vou fazer aqui nenhuma conclusão. Isso varia muito de região para região, disponibilidade da mão de obra, característica do projeto e escolhas do proprietário na questão do acabamento. Apenas fazendo um paralelo sem colocar valores, arrisco as comparações abaixo que podem te fazer pensar se realmente existe economia nessa fase:


  • O valor gasto com rejunte flexível equipara-se ao gasto em  materiais básicos do reboco (cimento, areia, cal, etc). Existem várias alternativas, mas sem dúvidas o rejunte flexível é o ideal para esse fim;
  • A mão de obra para rejunte, por ser menos comum de se encontrar e exigir certo capricho, pode ser mais cara que mão de obra para massa corrida. No melhor dos casos, há um empate aqui;
  • O custo da resina acrílica e sua aplicação pode facilmente superar o custo de pintura em uma parede rebocada. A resina tem o mesmo preço de uma tinta acrílica ou látex, mas o rendimento é menor, enquanto a mão de obra para aplica-la é igual a uma pintura comum.


Isso sem entrar no mérito do gesso e materiais alternativos de acabamento na alvenaria convencional.

Fica a dúvida pairando sob minha cabeça, uma vez que a primeira pergunta que fazem quando visitam minha obra é se compensa construir com esse tijolo. Por isso insisto que a resposta para esse tipo de questionamento não passe apenas pelo quesito custo, a decisão de usar o tijolo solo-cimento tem que ter outras fundamentações maiores, pois corre-se o sério risco de se ver frustrado se a intenção era tão somente economizar.