TERRAMAX Capacitação e Treinamento

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Em Busca da Mão de Obra 2: Construtora, Empreiteiro ou Pedreiro

Qual Melhor Opção?



Não tenho experiência em cada caso para responder com propriedade, mas comparando minha experiência atual com a de conhecidos que optaram pelas outras alternativas, consigo ver algumas vantagens de cada uma das opções.

Construtora:

Vantagens
  • Sem dúvidas a opção que mais gera segurança jurídica. É mais fácil cobrar algo judicialmente de uma empresa, do que de uma pessoa física. Além do mais, empresas passam por exigências maiores, portanto evidenciar a solidez de uma construtora é muito mais fácil do que "puxar a capivara" de um cidadão comum;
  • Cumprimento de prazos, organização, administração. A maioria das construtoras tem pessoas para cada função. Existe o engenheiro, um supervisor, o encarregado, mestre de obras, financeiro, etc. Eles normalmente terão maiores condições de passar um cronograma real e também cumpri-lo, dado que possuem pessoas para alocar na obra e agilizar se a coisa não anda bem ou ainda se for necessário repor algum profissional. Também deverá gerar materiais mais organizados como listas de compras, formulários para cotação, ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) e demais documentações pertinentes a obra, que agilizam e proporcionam maior controle do que está acontecendo ou do que será necessário para acontecer;
  • Em alguns casos, a construtora se encarrega de tudo, inclusive aquisição de materiais. Desde que comprometidos com a qualidade, isso é equivalente a uma noite de sono bem dormida, tira a responsabilidade sua de correr atrás de tudo e não compromete tanto sua disponibilidade como geralmente uma obra tratada diretamente com o pedreiro faz.
Desvantagens
  • Vejo como desvantagem a situação acima, onde a construtora pode não se comprometer tão bem com a qualidade e visando única e somente o lucro (de forma desonesta), acaba por comprar materiais de baixa qualidade, tomar decisões de projeto erradas ou insuficientes;
  • Alta rotatividade. Sua obra já é um pedaço da sua casa, por mais que nada tenha lá. Você sente assim e como dono da obra, assim como sua casa, você quer que ela seja preservada e respeitada. Construtoras podem vir a ter uma alta rotatividade de profissionais alocados em suas obras e com isso, pode ter um profissional novo por dia na sua obra. Dá para imaginar quais tipos de problemas podem ocorrer, né? Desde desconhecimento do projeto até problemas comportamentais, algo incompatível com os problemas naturais de uma obra.

Empreiteiro:

Vantagens
  • O meio termo entre uma construtora e tratar direto com o pedreiro. A vantagem é que é alguém que deve gerenciar a obra, quem deve reportar para você qualquer necessidade ou problema, quem resolve com os demais profissionais (pedreiro, servente, etc) a execução dos serviços e que pode colocar mais ou menos pessoas na obra de acordo com a necessidade. É o Gerente de Projeto de uma empresa grande, o responsável por fazer o projeto acontecer, interagindo com todos os envolvidos para entender necessidades, providenciar recursos e acompanhar o andamento;
  • Lidar com uma única só pessoa sobre todos os assuntos é muito mais sadio para sua paciência e tranquilidade. Sendo ele o responsável, se algum problema ocorrer ou algo for necessário, você não precisará discutir com ninguém além dele. Ele sendo uma pessoa esclarecida e experiente, a conversa fluirá muito melhor. Mas...
Desvantagens
  • Não é raro encontrar empreiteiros que nada mais são do que atravessadores no processo. Hangariam equipes de profissionais para trabalhar para ele, sob a alegação de que vai conseguir muitos projetos a se executar para essas equipes. Menos raro ainda são aqueles que fazem isso e pegam mais serviço do que suas equipes são capazes de executar, se enrolam nos cronogramas e para satisfazer o desejo ávido dos profissionais pelo dinheiro, fazem uma verdadeira bagunça com a alocação de profissionais. Perdem totalmente o controle, deixam clientes e profissionais furiosos e não raro abandonar alguma obra por maus resultados ou incapacidade. É preciso ficar muito atento a isso, ao relacionamento do empreiteiro e os profissionais que ele subcontrata, bem como dele para com os outros clientes, se possível sabendo quanto são as obras e quantas são as equipes.
  • Há muitos empreiteiros que num passado não muito distante eram pedreiros ou mestres de obra. Nada contra, até é bacana se ele tem conhecimento prático pois ajudará no momento de se encontrar soluções. Ocorre que, como disse acima, com o papel de Gerente de Projeto, se o cidadão não tiver capacidade, não for instruído suficientemente, acontece os problemas citados acima. O que era uma vantagem, se torna um pesadelo.

Pedreiro direto:

Vantagens

  • Sem complicações, como diriam os manos: papo reto. É ele quem executa, ele quem precisa conhecer todo o projeto, com quem serão feitas as discussões mais próximas da fonte do problema (e talvez das soluções);
  • O fato de não existir um atravessador, pode gerar um valor de mão-de-obra mais barato;
Desvantagens
  • Quem nunca ouviu alguém falar que o pedreiro da sua obra sumiu, aparece esporadicamente, tem frequência somente para pedir dinheiro, toca duas obras ao mesmo tempo, etc? Tratando direto com ele, suas cobranças podem não surtir efeito algum na cabeça dele. Se alguém vier e pagar mais, ele vai embora. Se ele acha que deve receber na sexta-feira, mesmo sem ter concluído a tarefa, ele vai te pedir e é difícil controlar. Claro que esses exemplos são todos pensando em pessoas pouco comprometidas e organizadas. Mas veja bem, se histórias como essa pipocam o tempo todo, não é algo raro.
  • Questões trabalhistas. Se elas não devem ser preocupação nas alternativas de contratação de MO acima, aqui, tratando direto com a pessoa, podem vir a ser. Muito cuidado com profissionais dormindo na obra, subcontratação de serventes e outros, divisão do valor pago, etc. Judicialmente você é responsável pelos profissionais, ainda que não tenha contrato diretamente um servente. Isso tudo pode gerar muita dor de cabeça, portanto tudo deve ser acordado previamente e através de um contrato, seja lá qual for a opção adotada. Isso vai lhe dar o respaldo legal mínimo para evitar dores de cabeça futura.

Eu, avesso a qualquer preferência, acabei contratando um empreiteiro. Tive contato com todo tipo de profissional, talvez só não aprofundei conversa com nenhuma construtora na área, mas lidei com diversos empreiteiros, desde o mestre de obra que subiu na vida e não suja mais as mãos até o pedreiro que trabalha em família. Cada um da sua maneira, apresentou seus benefícios e inspirou confiança. Alguns mais, outros menos, mas não estava condicionado a uma só escolha. Acabei batendo o martelo pelo conjunto preço + capacidade de sucesso na conclusão da obra.

Ao longo dos posts que forem direcionados ao andamento da minha obra, vou ilustrando passagens relacionadas ao tipo e forma de mão de obra que optei.


Nenhum comentário:

Postar um comentário